Educação Intercultural




O projeto LABIRINTOS possui uma doutrina de Educação Intercultural, por intermédio da pesquisa científica do Professor Ms. Giovani Pasini, no Doutorado em Educação (UFSM), sob orientação do Prof. Dr. Valdo Barcelos, além de contribuições do Grupo KITANDA.

A intercultura, por assim dizer, refere-se a um campo complexo de relacionamentos, onde interagem múltiplos sujeitos, de perspectivas variadas e diversos contextos (sociais, históricos, geográficos etc.). A interculturalidade, sob o foco da educação, ou seja, a Educação Intercultural permite que possamos respeitar todas as sociedades e indivíduos. Não existirá, nessa ótica, uma relação unidirecional. Não teremos o melhor e o pior, somente o outro - que será, geralmente, diferente.
                                                   
A interculturalidade engloba pontos e campos de reflexão que ultrapassam os problemas simples de imigrantes, tais como as dificuldades de adaptação a outros idiomas. Existe, na verdade, a integração de temáticas ligadas à construção da própria identidade, à valorização das diferenças e à configuração de sociedades complexas. (FLEURI 2010, a,b,c).

O enfoque intercultural possibilita que uma coletividade elabore uma visão mais ampla, interativa, dos relacionamentos diários. Existe a quebra do “bairrismo” ou da criação de grupos fechados, o que possibilita uma sabedoria mais abrangente e evoluções de pensamentos.



(Extrato da TESE de Giovani Pasini - Antropofagia Intercultural)